quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Regsitro 240: Revisitando o passado

Da esquerda para a direita: Imprensa Oficial e Biblioteca Pública de Salvador. Fotógrafo desconhecido, reprodução por Lita Cerqueira. O conjunto arquitetônico situava-se na Praça Tomé de Souza ou Praça Municipal e foi destruído no início da década de 70, quando da gestão de Antônio Carlos Magalhães .

Um comentário:

Nelito Reis disse...

Exato, onde atualmente se encontra o modernoso edifício-sede da prefeitura de Salvador, construído na gestão Mário Kertz. Prédio que recentemente se tornou alvo do Ministério Público que na defesa do conjunto arquitetônico, paisagístico e urbanístico, sugeriu sua demolição. Será? Em todo o caso quando da construção deste edifício, há quase 25 anos, já havia sido, há muito e sem explicações fundamentadas nem defensores fervorosos, posto abaixo o conjunto composto pelos belíssimos prédios da Imprensa Oficial e da Biblioteca Pública. Mas isso já é típico na Bahia, pois assim também desapareceram tantos prédios imponentes e importantes: o Teatro São João, primeiro teatro do Brasil, criminosamente incendiado em 1923 e também a quase tetracentenária Igreja da Sé, que veio abaixo em 1933 para dar lugar aos bondes e onde hoje há um monumento à ignorância: uma cruz caída exatamente onde antes era o altar-mor da Sé. São dois exemplos que se igualam aos prédios mostrados da foto na pergunta que não cala: para quê foram demolidos? Ser destruído para um propósito concreto, ainda que desconsideranda a importância histórica de tais estruturas, ao menos restaria alguma justificativa, mas nem isso. Não foram, por exemplo, vítimas da famigerada e inescrupulosa expeculação imobiliária como recentemente vimos na aviltantemente derrubada no oco da madrugada da Mansão Wildberger, situada nos fundos da Igreja da Vitória. Êta Bahia porreta!!! Mas isso não se vê só na Bahia, recentemente no Rio de Janeiro o prefeito Cesar Maia causou polêmica ao propor a reconstrução do Palácio Monroe, inexplicavelmente destruído em 1976 durante as obras do metrô. É pano pra manga....