quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Registro 279: Depoimento VIII

O jornal O Estado de S. Paulo em seu Caderno 2 - Cultura - sempre aos domingos - apresenta um espaço denominado Antologia Pessoal, no qual profissionais das artes dão o seu depoimento sobre assuntos de sua área. As perguntas não variam, são sempre as mesmas. Ao apropriar-me da idéia, acrescentei uma pergunta e reformulei algumas; basicamente são as mesmas do jornal.Assim, convido artistas baianos ou residentes em Salvador para deixar o seu depoimento no blog Cenadiária. Cada participante indicará um artista para que se forme uma rede de registros e opiniões. Semanalmente, a Cenadiária vai trazer uma personalidade do teatro baiano para o deleito do leitor. Divirta-se.

Andréa Elia
Atriz, diretora tetral e professora do Curso ATO de Teatro. Atuante há vinte anos na cena cultural baiana, foi dirigida por grande parte dos diretores teatrais baianos e entre as atuações de destaque estão: Boca de Ouro, Um Bonde Chamado Desejo, O Beijo no Asfalto e Carne Fraca – Fernando Guerreiro, A Prostituta Respeitosa – Márcio Meirelles, Divinas Palavras – Nehle Franke (com apresentações nos Festivais de Curitiba, Londrina, SESC São Paulo, Recife. Kaô – Paulo Atto (com apresentações em Moscou, Espanha e Portugal), Não Vamos Falar Nisso Agora – Celso Jr. e A Morte de Quincas Berro d'Água – Paulo Dourado. Foi vencedora do Concurso Melhor de 3 do Faustão, valendo um contrato com a Rede Globo em 1995. Como diretora teatral do Grupo Os Bumburistas, foi vencedora do Prêmio Braskem , na categoria melhor espetáculo pelo júri popular nos anos de 2006 e 2007. No dia 16 de agosto (2009) estréia o espetáculo com o mesmo grupo, o infanto juvenil Alice no Sertão das Maravilhas, em temporada no Teatro Módulo e em novembro estréia como atriz o espetáculo Um Caso Sério com texto e direção de Cláudio Simões, dividindo a cena com o ator Celso Jr. Andréa Elia a frente do Curso ATO tem contribuído para formação de novos atores e para inserção da linguagem teatral em empresas e instituições.

1 – Que atores ou atrizes cujo trabalho em teatro você acompanha?
Frank Menezes, Wagner Moura e João Miguel

2 – Que atores ou atrizes de cinema compõem a sua galeria de favoritos?
Julianne Moore, Al Pacino, Marília Pera.

3 – Qual diretor de teatro cujo trabalho faz você retornar ao teatro?
Fernando Guerreiro, Antunes Filho, Antônio Araújo (Teatro da Vertigem)

4 – Dê exemplo de um criador teatral muito bom, mas injustiçado.
Plínio Marcos.

5 – Cite uma criação teatral surpreendente e pela qual você não dava nada.
Abafabanca

6 – A cena baiano-brasileira tem alguns momentos teatrais antológicos. Cite algumas que marcaram sua vida.
1. A estréia de R$ 1,99 no Teatro XVIII. 2. Boca de Ouro – Um Nelson Rodrigues em pleno vagão de trem no subúrbio baiano. A meninada saindo de casa para falar com meu personagem durante a peça e o público achando que fazia parte do texto. Um espectador disse ao diretor da peça Fernando Guerreiro: “Nossa! A cena das crianças está muito bem marcada, parece que tá acontecendo na hora!” E realmente estava! 3. A montagem de Hamlet de José Celso Martinez Correa, quando durante uma cena o teto do teatro Oficina se abria e víamos o céu de São Paulo.

7 – Que encenação lhe fez mal, de tão perturbadora?
Apocalipse de Antônio Araújo do Teatro da Vertigem. A peça acontecia num presídio abandonado em São Paulo, durante uma cena o público ficava num corredor escuro e os atores corriam pelados gritando. Senti um certo pânico, mesmo sabendo que era teatro, tive uma sensação real de início de claustrofobia e pensei em sair.

8 – Que espetáculo teatral mais o fez pensar?
Divinas Palavras, de Ramón Del Valle Inclan com direção de Nehle Franke.

9 – Comédia é um gênero de segunda?
Gosto de considerar “Gênero de primeira”, o espetáculo de qualidade. Comédia mal feita é gênero de segunda assim como o drama mal feito.

10 – Cite uma peça difícil, mas significativa.
A Comédia do Fim de Becket com direção de Luís Marfuz.

11 – Cite uma encenação que imagina ter sido memorável e você não viu.
Paraíso, Zona Norte – Antunes Filho

12 – Uma encenação difícil, mas inesquecível.
Dias Felizes com Fernanda Montenegro, vi no Teatro Castro Alves e não era o teatro apropriado para um monólogo de Beckett.

13 – Que texto(s) escrito(s) nos últimos dez anos merecia um lugar na história do teatro brasileiro?
A adaptação atual de Hamlet de Wagner Moura, Apocalipse e O Livro de Jó do Teatro da Vertigem.

14 – Qual o texto dramático clássico brasileiro, de qualquer tempo, você recomendaria encenações constantes?
Nelson Rodrigues – toda a sua obra desde peças, crônicas e contos.

15 – Cite um(a) autor(a) sempre ausente dos cânones que merece seu aplauso?
Na verdade penso na atriz Denise Stoklos, pois seus textos são muito bons, mas por desenvolver um teatro autoral, seus textos não são muito lembrados. Tenho todos e leio sempre que posso.

18 – Que montagem (ou ator, autor, diretor, cenógrafo, figurinista, iluminador) festejado pela crítica você detestou?
Geral Thomas, não as suas primeiras montagens, mas a fórmula depois que ficou um pouco engessada.

19 – E que montagem (ou ator, diretor, autor) demolida por críticos você gostou?
Teve uma montagem de Um Fax de Denise Stoklos para Cristovão Colombo no Rio de Janeiro que sofreu uma crítica de Macksen Luís no Jornal do Brasil, dizendo que o discurso de Denise estava ultrapassado. Era a primeira vez que eu via aquela atriz em cena. Eu e Ana Paula Bouzas, atriz e amiga, vimos a peça juntas, e nos marcou muito. Quando lemos a crítica, ficamos indignadas e enviamos uma carta ao jornal e a carta foi publicada na coluna Opinião do Leitor. Anos depois conheci pessoalmente a atriz e ela havia guardado a nossa carta e lembrava bem do fato.

20 – Qual peça e personagem gostaria de fazer? Você pode escolher três.
Blanche Dubois – Um Bonde Chamado Desejo, Geni – Toda Nudez Será Castigada e Marta – Quem Tem Medo de Virgínia Wolf?

21 – Você é um intérprete, autor, cenógrafo, iluminador, diretor, dramático ou pós-dramático?
Uma diretora pós-dramática e uma ATRIZ DRAMÁTICA AO EXTREMO!!!!!!!!!!!

22 – Que virtude você mais preza no teatro de qualidade?
Comunicação com o público.

23 – O que mais incomoda você no mau teatro?
Subestimar a capacidade do público.

Nenhum comentário: